terça-feira, 4 de dezembro de 2007

charge BIER, FABIO ZIMBRES, GUAZZELLI, HALS, JUSKA, LANCAST, RAFAEL SICA, SANTIAGO


























Edição especial do Tinta China, a propósito das atuais condições de trabalho de chargistas nas redações dos jornais brasileiros (segunda parte).

4 comentários:

uberti disse...

Santiago,Moa,Kaiser,acontece que é o
JORNAL DO .......MÉRCIO!
(atualizando este comentário)

Alisson Affonso disse...

Boa Hals!

sam disse...

puxa e eu não conhecia esse blog ou a GRAFAR. já está nos meus favoritos. :)
uma vergonha essa estória do JC. mas isso só vai impulsionar as vendas dos livros das 'charges proibidas', hehe ;)

Paulo Renato disse...

A censura continua. Passamos por uma ditadura militar, quando a constituição foi rasgada e o arbítrio instalado. Pessoas foram presas, torturadas e mortas. Professores, intelectuais, políticos, foram demitidos, cassados, banidos, exilados. Filmes, livros, peças de teatro, músicas, espetáculos, foram proibidos. Lutamos e morremos para fazer desse país uma democracia. Mas muitos ainda pensam e agem como se os generais dessem as ordens. São os capitães-do-mato, feitores de escravos, 'coronéis' da mídia e tantos outros que perseguem e aniquilam aqueles que ousam pensar diferente.

O Jornal do Comércio de Porto Alegre, ao demitir seus premiados chargistas, reconhecidos como entre os melhores do Brasil, escreve mais uma página negra na História do Brasil.

Talvez alguns agora entendam porque muitos reclamam da ditadura imposta pelos barões da imprensa e pedem alguma forma de controle público sobre os meios de comunicação social. Não é possível que meia dúzia de pessoas, apenas porque são os donos das empresas jornalísticas, decidam o que a população brasileira pode saber. Isso sim que é uma brutal concentração de poder e uma forma perversa de CENSURA.